Se alguém puder me ouvir… Falhamos.

Meu nome é Phyllhip Djulzovsky da Silva, e durante meus 174 anos de vida sempre fui um otimista. Sempre tive a esperança de que alguém lá nos céus nos escutaria e nos salvaria. E a cada dia a mais que sobrevivemos percebemos que ninguém nos ajudará, e que talvez não haja ninguém lá em cima.

Não é por falta de tentativas. Já mandamos mensagens matemáticas simples, fórmulas complexas que demonstravam nossa aparente inteligência, músicas, dicionários, enciclopédias, comerciais e até mensagens religiosas. Demos um olá, boas vindas, estamos aqui, ainda tem alguém aqui, socorro! …Nada.

Queríamos tanto acreditar que não estávamos sós, que tínhamos irmãos mais velhos que cuidariam de nós, ou até uma mãezona pra nos proteger e um paizão pra nos ensinar, que esquecemos de crescer sozinhos, de cuidar de nossa casa, de nosso quintal. Pareço piegas, emocional, mas a coisa está feia.

Ontem clonamos uma criança, estava deliciosa, ainda posso sentir todo aquele sangue salgado escorrendo pela minha máscara. Ainda lembro que 30 anos atrás isto era condenável… Tolos aqueles que achavam que conseguiríamos terraformar e pilhar outros planetas antes que tudo aqui acabasse. Eu fui um.

Talvez algum dia alguém ache soterrado nos escombros de nossa civilização esta mensagem, ainda tenho esperança, mas não será alguém daqui, pois nenhum outro animal conseguirá evoluir até a racionalidade pelos próximos 500 milhões de anos. Não do jeito que deixamos a superfície, a atmosfera.

Espero que eles entendam de criptografia quântica e nanotecnologia…

Faz 5 anos que não vejo uma árvore real, um pássaro, uma abelha, só estes hologramas em cada esquina de nossas metrópoles, nos lembrando do que um dia foi bom. Estes recicladores de monóxido de carbono só geram mais e mais calor. Ontem tivemos 55°C o que até é bom no inverno, se pelo menos chovesse…

…Água de verdade, eu digo, e não essa coisa ácida e salgada que os canais de UHDTV vendem dizendo que faz bem para nossas janelas e telhados, limpam a fuligem, refletem a luz ultravioleta. Tudo por míseros 29.900 Ameros. Como era bom quando não precisávamos trabalhar para pagar a chuva.

Sempre olhava para meus primos e pensava que eles tinham algum bom motivo pessoal para serem o que são, para fazerem o que fazem. Eles faziam o mesmo, olhando pra mim, e pensando… Eu nunca olhei pra mim, sempre esperei que meus vizinhos e colegas tomassem alguma atitude. Afinal o mundo é deles também. Era…

Enquanto isso esperamos a ajuda vinda dos céus. Ainda sonho sobre discos voadores sobrevoando as nuvens, nos saudando, nos abraçando em sua federação galática, nos trazendo tecnologia ultra avançada, que reverta o estado atual que nossa civilização chegou, ou ao menos nos mostre como viajar mais rápido do que a luz, para alcançarmos novos planetas habitáveis, com florestas abundantes e animais suculentos.

Se este dispositivo funcionar, esta mensagem será magneticamente implantada em algum computador desses transistorizado primitivos que eram populares no início do século. Hoje é 23 de maio de 2041. Obrigado por ler tudo, se não o fez, peça pro papai resumir.

Boa sorte.

4 Responses to Se alguém puder me ouvir… Falhamos.

  1. Anonymous says:

    que merda de postesse blog ta decadente hein

  2. Sorete says:

    Feliz dia de fingir ser um viajante do tempo pra você também, panaca.

  3. Anonymous says:

    aff

  4. Joãozinho says:

    Ecoculpa do cacete. Logo vai ta organizando passeata na frente de perfumaria ou vandalizando laboratorio e açouge.

Deixe um comentário

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: